sexta-feira, maio 05, 2006

Lindo pendão da esperança




O Paulinho fez uma enquete no seu blog que eu, lerda do jeito que sou, não fui lá ver até hoje. Era sobre um projeto de lei que está correndo aqui no Rio para que os alunos cantem, em suas escolas, o Hino Nacional quatro vezes por semana para aprenderem patriotismo.
Sinceramente? Patriotismo não se aprende na escola - pelo menos, não SÓ na escola. Há muito tempo um amigo meu me disse que, nos Estados Unidos, onde muitas vezes o patriotismo vira patriotada, veste-se biquini com a bandeira nacional. Faz alguns anos um estilista da Yes, Brazil foi preso e algemado durante um desfile (acho que ainda na falecida Semana Leslie de Moda) porque um dos biquinis tinha, na calcinha, a Bandeira Nacional. Isso, graças, já mudou.
Na escola das meninas canta-se o hino todo dia. Elas adoram a bandeira. O brasileiro é, sim, patriota. Mas infelizmente o patriotismo só aparece, na maioria das vezes, quando alguém de fora mexe com o que é nosso. Aqui, não se sabe que patriotismo pode ser até mesmo não jogar lixo no chão ou molhar a mão do guarda para não chegar mais atrasado ao trabalho.
E, por fim, por que não se ensina nas escolas o que realmente representa as cores e símbolos da bandeira? Todo mundo aprende na escola que o verde representa as matas e o amarelo, o ouro. Resumidamente, aprende aí o que um professor de heráldica me ensinou faz tempo:
Verde é a cor da Casa dos Bragança, o qual pertencia D. Pedro I. O losango (ou lisonja, como é chamado em heráldica) significa que há, naquela casa real, uma mulher notável: D. Leopoldina, advinda da Casa de Lorena, cuja cor era o amarelo - a bandeira do Brasil é a única no mundo que homenageia uma mulher!
No centro, o céu que se vê é o do Rio de Janeiro, então capital do país, nas primeiras horas da manhã de 15 de novembro de 1889.
Agora me diz: por que não ensinam isso nas escolas? Encheria os brasileiros de orgulho por ter uma bandeira tão singular - além de saber que o Hino Nacional e a Marselhesa foram considerados, numa pesquisa do jornal The Guardian durante a Copa de 2002, os hinos mais belos do mundo.

5 comentários:

Blue eyes disse...

Breviário é cultura!!!!!!

Cris disse...

eu ainda não sei o que pensar disso. e vc? quando aparece por essas bandas? bj

Lala´s disse...

Pois é, Su... saudades é um bicho estranho... qualquer dia desses eu ainda mato esses bichos todos :o)

paulinho disse...

Suzana,

Adorei o termo patriotada. Gosto também de "pátria de chuteiras". Mas tenho horror aos seus significados.

Hj é dia do artista plástico. Deveria ter feito uma homenagem no blog, até porque meu cunhado é um ótimo paisagista.

bj,

Cris disse...

você não sabe o risco que está correndo me oferecendo ajuda para o projeto... eu aceito de muito bom grado, de longe ou de perto. um beijo em você e nas pequenas.