quarta-feira, janeiro 06, 2010

Anjo de esplendor

Nós três sentadas na cama, acompanhando um filme muito meloso, muito melodramático. A mocinha-que-fugiu-de-casa-para-realizar-seus-sonhos, depois de enfrentar bandidos que queriam pegar seus preciosos cachorrinhos, termina em trapos e suja, dando o último sorriso moribundo nos braços do amado-rapaz.

Zé Colméia se encolhe no meu colo e suspira; Catatau dá uma fungadinha e diz, compungida, depois de um minuto de silêncio solene:

- Mamãe, eu já sei como quero morrer.
- É, filha? Como?
- Muito bem vestida.

2 comentários:

André T. disse...

Genial.

Ciça disse...

Vontade de morder, não dá não?
Essa promete.